receita

SORBET DE ARATICUM
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
três horas e 30 minutos
RENDIMENTO:
de quatro a seis porções
CHEF:
Rita de Medeiros
REGIÃO:
Distrito Federal
TIPO DE PRATO:
sobremesa
ingredientes

500 gramas de polpa de araticum
200 gramas de açúcar refinado
500 ml de água
½ colher de sopa de emulsificante

modo de preparo

1 Bata todos os ingredientes no liquidificador até obter uma consistência homogênea;
2 Coloque a mistura em uma vasilha e leve ao freezer por 45 minutos;
3 Retire o sorbet do freezer e bata na batedeira em velocidade alta por 45 minutos;
4 Repita esse processo por mais duas vezes. Na última, passe um filme plástico na vasilha e deixe no freezer até o momento de servir.

Dicas

-Se observar que o sorbet está muito congelado, deixe o boleador de sorvetes mergulhado em água quente. Isso facilita o processo na hora de servir
-Você pode servir o sorbet com caldas quentes de chocolate ou de café
-Você pode fazer também uma calda da própria fruta. Basta levar ao fogo um pouco da polpa e açúcar e deixar ferver até que adquira a consistência de calda. Pode-se acrescentar, também, folhas de hortelã, de alecrim ou manjericão
-A receita de sorbet pode ser feita com polpa de outras frutas
-O emulsificante é encontrado em casas de material para confeitaria e lojas do ramo

História

Sorveteria usa como matéria-prima
frutas do cerrado caídas do pé em Brasília

 

Para fazer seus sorvetes, Rita Medeiros, da Sorbê Sorvetes Artesanais, utiliza, desde 2005, frutas caídas do pé em Brasília. São frutos de árvores nativas do cerrado como cagaita, buriti, pequi, araticum, baru, jenipapo e jatobá, transformados por suas mãos em picolés e sorvetes de massa.

“As árvores do cerrado têm raízes profundas, troncos grossos e com ranhuras, e as frutas têm forte personalidade, um aroma forte, e só amadurecem no pé”, diz Rita, autora dos livros “Gastronomia do Cerrado” e “Sorbets e Sorvetes – Uma Festa de Frutas Brasileiras”.

Rita, que subia nos pés de fruta quando criança, tem hoje uma parceria com coletores de frutas e, para conseguir trabalhar ao longo do ano, congela a matéria-prima sazonal. “Algumas frutas do cerrado têm um período de safra de apenas uma semana”, diz.

Como o sorvete recém-produzido é sempre melhor do que aquele feito há alguns dias, Rita prepara sempre pequenas quantidades. Frutas maduras são essenciais para preparar o sorvete, diz. E, desde que começou a produção, quis destacar o sabor único de cada uma delas. “Uso pouco açúcar nas receitas e, no caso de frutas que têm um sabor que será favorecido pelo leite, como pequi, jatobá e bacuri, uso leite em vez de água.”

 

"Algumas frutas do cerrado têm um período de safra de apenas uma semana"

Sorbê Sorvetes Artesanais

ONDE: asa Norte Comércio Local Norte 405, Bloco C, Loja 41, Asa Norte, Brasília, Distrito Federal, tel. (61) 3447-4158

www.facebook.com/sorbesorvetesartesanais

 

galeria de fotos

Detalhe do sorvete de tapioca - © Rusty Marcellini

Rita Medeiros ao lado de um pé de cagaita - © Rusty Marcellini

Sorvete de cagaita - © Rusty Marcellini

Variedade de sorvetes na vitrine da Sorbê - © Rusty Marcellini