receita

PAÇOCA PANTANEIRA
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
uma hora e trinta minutos
RENDIMENTO:
oito porções
CHEF:
Lidia Aguilar Leite
REGIÃO:
Mato Grosso do Sul
TIPO DE PRATO:
carne
ingredientes

1 quilo de carne seca
250 gramas de farinha de mandioca branca
100 gramas de alho picado
200 ml de óleo de soja

modo de preparo

1 Pique a carne em cubos e coloque-a em uma panela com água. Leve ao fogo e deixe ferver por cinco minutos. Escorra a água;
2 Repita esse processo por pelo menos mais duas vezes, ou até notar que a carne está macia;
3 Soque a carne num pilão para desfiá-la;
4 Numa panela aquecida, refogue o alho no óleo. Quando ele ficar dourado acrescente a carne seca aos poucos, e vá fritando para que fique bem sequinha;
5 Quando a carne estiver bem frita comece a juntar a farinha aos poucos, formando a paçoca. Sirva em seguida.

Dicas

-Se achar que depois de fritar a carne ficou muito óleo na panela, retire uma parte
-Não coloque toda a farinha de uma vez, para que não vire uma farofa. Talvez não seja necessário usar toda a farinha

História

Cozinheira no Mato Grosso do Sul mantém viva tradição tropeira de fazer paçoca de carne

O preparo indígena de passar no pilão carnes secas com raízes, cascas e farinha popularizou-se pelo país ao longo dos anos. Tropeiros, garimpeiros, bandeirantes e vaqueiros levavam essa paçoca, de fácil conservação, em suas viagens para se sustentarem nas longas jornadas.

No Mato Grosso do Sul não foi diferente. Preparar a paçoca no salão, na presença dos clientes, é uma forma que a cozinheira Lídia Aguilar Leite, dona do Recanto Vale do Sol, em Corumbá, a 420 quilômetros de Campo Grande, encontrou de manter suas origens vivas.

“Meu pai era vaqueiro e foi a paçoca que o sustentou em muitas viagens levando o gado de um lado para outro”, lembra.

O preparo do prato é simples, mas exige paciência. Primeiro, a  carne de sol é frita na panela até ficar bem sequinha –detalhe importante, aponta ela. Os pedaços de carne seguem, então, para um imenso pilão de madeira, onde são misturados a uma pequena quantidade de farinha de mandioca.

Com movimentos constantes, Lídia vai amassando a carne. O tempo passa e só muitos minutos depois ela mostra que a farinha e a carne estão bem misturadas, formando como que pequenos grãos. “Agora está ótima”, diz.

“Meu pai era vaqueiro e foi a paçoca que o sustentou em muitas viagens levando o gado de um lado para outro”

Recanto Vale do Sol

ONDE BR 262, acesso em frente ao Frigorífico Urucum, Corumbá, Mato Grosso do Sul, tel. (67) 3231-1820

galeria de fotos

Paçoca Pantaneira | © Rusty Marcellini

A cozinheira e proprietária do Recanto Vale do Sol, Lídia Aguilar Leite | © Rusty Marcellini

Paçoca Pantaneira | © Rusty Marcellini