receita

FILÉ MARAJOARA - PARÁ
GRAU DE DIFICULDADE:
Fácil
TEMPO DE PREPARO:
4 porções
RENDIMENTO:
40 minutos
CHEF:
Ionalva Figueiredo Barbosa
REGIÃO:
Pará
TIPO DE PRATO:
carne
ingredientes

1 quilo de filé-mignon de búfalo
1 colher de sopa de azeite
1 colher de sopa de alho picado
2 colheres de sopa de molho inglês
2 colheres de sopa de manteiga de leite de búfala
500 gramas de queijo Marajoara
Sal a gosto
Cominho a gosto
Pimenta-do-reino a gosto

modo de preparo

1 Corte o filé no sentido da fibra em escalopes de mais ou menos 1,5 cm de altura;
2 Tempere a carne com azeite, sal, molho inglês, pimenta, cominho e alho, e deixe marinar por 15 minutos;
3 Em uma frigideira ou grelha já quente, coloque a manteiga de leite de búfala e grelhe os escalopes. Deixe que doure dos dois lados;
4 Quando a carne estiver dourada, coloque o queijo por cima, abafe e espere que ele derreta. Apague o fogo e sirva.

Dicas

• Caso não encontre o queijo marajoara, faça a receita com muçarela de búfala
• Você pode usar a carne em um sanduíche ou servi-la com uma salada de folhas amargas

História

Feito de leite de búfala, queijo marajoara é cremoso e suave mas não lembra a muçarela

 

Na fazenda Mironga, na Ilha de Marajó, fazer queijo é tradição familiar. “Meu avô me ensinou e eu já estou ensinando para o meu filho”, conta, orgulhoso, o produtor Carlos Augusto Gouvêa. No princípio, os queijos eram feitos de leite de vaca. Mas em função do aumento no rebanho de búfalos a partir de 1930, passou a ser feito com leite da fêmea do animal.
O queijo marajoara, porém, não se assemelha àquela muçarela de búfala em bolinhas que se encontra nos mercados. Gouvêa faz o que se chama de queijo creme: fresco, de sabor suave, lembra um requeijão. “Bem cremoso, derrete na boca”, nas palavras do produtor.
É um processo trabalhoso, cheio de etapas. Primeiro, o leite –sempre cru, nunca pasteurizado– passa por um desnate na centrífuga, onde são separados leite e creme de leite. O creme é reservado, enquanto o leite fermenta espontaneamente por 24 horas. Então, separa-se o soro da massa.
Essa massa é lavada duas vezes com água e outra vez com leite bovino, para eliminar a acidez. No próximo passo, é prensada para que solte o máximo de líquido possível. O resultado é semelhante a um queijo parmesão, que é ralado e colocado no tacho, onde é misturado com o creme de leite fresco na etapa final.
Durante cerca de meia hora, um funcionário dá a liga ao queijo, fundindo massa e creme. Puxa para cima e para baixo aquela massa elástica, alongando-a e deixando-a bem cremosa.
Depois de pronto, o queijo é utilizado no filé marajoara, prato tradicional da região que consiste em pedacinhos de filé-mignon de búfalo fritos na manteiga e cobertos com o queijo.
“Todo o mundo é feliz comendo búfalo, tomando leite da búfala, comendo doce do leite da búfala, tudo é aproveitado do leite da búfala!”, diz a alegre cozinheira Ionalva Barbosa, dona do restaurante Delícias da Nalva, em Soure.
Búfalo, aliás, é o que não falta em Marajó. Estima-se que a população do animal na ilha seja de 600 mil –para se ter uma ideia, são cerca de 250 mil humanos. Como eles foram parar ali é um mistério.
De acordo com Gouvêa, a primeira importação comprovada data do ano de 1895. “Um fazendeiro do município de Soure importou três animais da Itália, mas ninguém sabe como chegou a raça Carabao. Acreditamos que houve um naufrágio na costa e esses animais, que são nadadores, chegaram na ilha e se adaptaram muito bem”, conta.
Por ora, porém, a degustação do queijo de Marajó é limitada. Antes de 2013, por causa de uma lei federal da década de 1950, os queijos de leite cru não podiam ser comercializados fora da ilha. Gouvêa foi o primeiro produtor de Marajó a receber o certificado que autoriza a comercialização do queijo em todo o Pará, o SIE (Selo de Inspeção Estadual).
“Agora o nosso objetivo é conseguir a Identificação Geográfica junto ao INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial – para que o queijo marajoara possa no futuro ser vendido em todo o território nacional”, afirma.

“Todo o mundo é feliz comendo búfalo, tomando leite da búfala, comendo doce do leite da búfala, tudo é aproveitado”

Laticínios Mironga
ONDE rod. Soure, Pesqueiro, km 4, Tucumanduba, Ilha de Marajó, Pará, tel. (91) 3741-1410
www.facebook.com/mironga.marajo

Delícias da Nalva
ONDE Quarta Rua, 1051, Soure, Ilha de Marajó, Pará, tel. (91) 98301-0110

galeria de fotos

Carlos Augusto Gouvêa e os búfalos da Fazenda Mironga

Ordenha das búfalas

Búfalos na Fazenda Mironga

Búfalo utilizado como animal de tração em Soure, na Ilha de Marajó (PA)

Última etapa da produção do queijo marajoara: mistura do creme de leite com a massa

Funcionário puxa a massa do queijo marajoara para dar liga

Queijo marajoara sendo enformado

Queijo marajoara do Laticínio Mironga

Filé Marajoara